quarta-feira, 25 de agosto de 2010

#23

A letter to the last person you kissed

Daqui a pouco fica tarde e eu vou ter que ir tentar dormir rápido porque amanhã eu tenho que fingir que sou responsável e entrar nessa cidade cheia de gente e de barulho e eu vou ficar louca até o fim do dia assim sem vírgulas. E nesses dias que toda hora é hora do rush e que tudo é pra ontem, esses dias sem vírgula nenhuma que eu lembro da sua barba meio clarinha por um minuto em alguma hora perdida, tipo 17:22h. Porque vírgula é pausa, e ficar perto da sua barba loirinha me dá uma pausa de ver o mundo explodindo e pegando fogo lá fora. E mesmo que as pessoas na rua não me interessem, eu me arrumo, porque vai que alguém lembra de mim pelo menos por um minuto em alguma hora perdida, tipo 15:34h. Eu prefiro estar bonita se tem alguém lembrando de mim. Mesmo ele ainda não sabendo o quanto eu fico bem de vermelho, eu uso vermelho. Perguntaram qual piadinha que eu tava lendo na internet mas eu só estava sorrindo sozinha de lembrar o tanto que ele fica bonito de óculos. A gente nem se telefona, nem diz que está com saudades, nem nada. Não precisa. Não preciso de certezas porque simplesmente é. Por expor demais certas coisas, passei a optar pelo silêncio. Mas não tenho mais receio que ele pense que sou um pouco louca ou exagerada. Fui fácil e se errei, não sei. Mas não vejo sentido em fazer algum tipo de joguinho adolescente do tipo "tem que esnobar senão o cara desencana", com ele eu sou tão eu mesma que nem percebo. É daquelas pessoas inesperadas, que surgem do nada, que parece que você conhece há anos. Cria-se uma confiança mútua, espontânea. Temos nossas vidas, amigos, trabalho, vontades, lembranças. E nos temos, sem cobrança, simplesmente é. Tanta gente vem me pedir conselhos e eu nunca tive paciência pra reclamações sobre a distância porque sempre achei que era frescura. Mas não é, não. É chato não poder deitar meu rosto no seu peito agora. Mesmo assim eu queria que você soubesse que quando você veio, trouxe junto pra mim uma leveza e um pouquinho de agonia que eu estava precisando, e é disso que falam quando me dizem que eu estou diferente. E eu gosto da leveza, da agonia, de mim com você e de você comigo.

4 comentários:

ivan disse...

O melhor de tudo é que é tudo o melhor. (:
Esse negócio de joguinho é pra gente imatura e besta que precisa disso para ter algum assunto com a pessoa. :*

Ana Lívia Nina disse...

eu já tinha semi lido isso e além de você escrever absurdamente bem, você fica uma lindinha quando tá bem assim! s2

ogabiru disse...

Muito bom. Uma sutil diferença na persona das cartas anteriores, algo me diz que seu humor está mudando e se sente melhor agora.

B!GH3@D disse...

poucas vezes se traduziu algo tão natural e tão simples em palavras tão sinceras...


felicidade existe pra aqueles que fazem merecer