sexta-feira, 23 de julho de 2010

#4

A letter to your sibling (or closest relative)

"How many roads must a man walk down, before you call him a man?"



Um dia eu estava filmando você tocando violão e cantando. Acho que era Blowin' in the wind, e aí eu chorei. Não só de orgulho, mas foi bonito porque eu vi o quanto você realmente ama isso. Eu lembrei de quando você começou a tocar guitarra há quase 10 anos atrás e nunca mais desistiu. Daí eu enxuguei os olhos e tentei disfarçar, fiquei com vergonha, mas te falaram que eu chorei por sua causa e você disse que nunca ia me deixar na mão. Às vezes você não é tão delicado quando eu te falo dos meus problemas sentimentais, mas sei que é porque se preocupa, e pra mim soa como um bom conselho. Você é tão leve com as pessoas (até com as que não merecem), apesar dos combos incríveis de palavrões e xingamentos inventados na hora. Acho que nunca vi alguém tão humilde. Você disse que quer ensinar história para tentar deixar esse mundo cinza um pouco melhor. Não existe uma pessoa que não goste de você. Eu não sou de violência, mas se alguém te fizer mal eu sou capaz de socar a cabeça da pessoa no chão até virar líquido. Eu nem sei quanto tempo vou durar mas imagino nós dois velhos, ouvindo rock n roll, bebendo alguma coisa barata e jogando baralho. Nada muito diferente do que é hoje, e assim espero. Só quero ir antes de você, pra não ter que perder a melhor parte de mim.

2 comentários:

ogabiru disse...

Cada dia que leio seu blog mais aprecio sua natureza poética.
Parabéns favoritei seu blog e estou ansioso para ver todas as 30 cartas...

Álan M. disse...

É o Grilo, é o Grilo! :D

Muito bom MESMO, parabéns! \o/